29 março, 2006

Certezas!

Tuas mãos quando tomaram meu corpo
como se fosse um frágil relicário,
tive a exata noção que ali perdia,
a força que me manteve tanto tempo,
no tempo afastado dessa alegria,
que todos nós chamamos de amor!

Meu corpo trepidou de emoção
e um forte e longo arrepio
cruzou pelo meu corpo, possuindo
o dom de me fazer entregue!

Teu beijo!
Ah, esse beijo que pôs fogo nas minhas veias,
que tornou lânguido esse olhar,
que te descobriu num relance,
ao cruzar no meio da multidão!

Te sentir desse jeito, afastou o vazio
emocional que eu vivia e me pôs no cio,
faminta, com fogo, perdida de amor!

Contigo vivi o paraíso encantado
das noites enluaradas e do esperar amanhã
surgir com os primeiros raios do sol,
e fui ao inferno escarlate de Dante,
escorregando metro a metro, a cada
negativa do nosso amor!

Foste meu sol, minha lua, nebuloso
fascínio de uma paixão malograda!



6 comentários:

Maria Cristina Siqueira disse...

Confesso que me perdi no universo desse teu poema...me olhei totalmente dentro dele. Sei bem o que é chegar ao inferno por um amor e deixar quase a vida escapulir....!!!!!!
Simplesmente arrasador

Beth disse...

Será que tenho algo a falar depois do que eu li?
Não sei....

Luiz Alfredo disse...

Depois que houve esse beijo, nunca mais esquecí. Selou a minha sorte e nunca mais me separei. Ainda sinto o sabor....Tive a felicidade em ter achado.

Anônimo disse...

Esse beijo........ era tudo que eu queria encontrar!!!!!!!!!!

Maria Cristina Siqueira disse...

Voltei!!!!
Para encaminhar para o meu amor esse poema lindo. Não te preocupas que vou dar os créditos devidos.
Te agradeço por essa alegria.

Fatiana disse...

Certeza... da emoção, do paraíso e do inferno que somente um amor verdadeiro pode nos trazer.
Mas o que seria da vida...sem o amor... sem suas cores...sem as suas dores e seus delírios...
Me identifiquei com este poema,e aproveito para exaltar a sensibilidade e maestria da autora, na transcrição de tão nobre sentimento.Magnífico.